Criar um Site Grátis Fantástico
Enquete
QUAIS SÃO SUAS FANTASIAS ENTRE QUATRO PAREDES...
MULHER COM DOIS HOMEM
HOMEM COM DUAS MULHER
COM ADOLECENTES
FANTASIA MULHER MARAVILHA
FANTASIA UNIFORME MILITAR
FANTASIA DE EMFERMEIRA
FANTASIA DE PROFESSORA
OU TROCA DE CASAIS
Ver Resultados

Rating: 2.8/5 (117 votos)




ONLINE
2




Partilhe esta Página

 Ame Intensamente





Total de visitas: 354643
Histórias de Amor
Histórias de Amor

HISTÓRIAS DE AMOR

Orgia na casa de swing

Nunca tinha entrado em uma casa de swing e não sabia se estava vestida para isso. Usei uma mini saia, top e botas. Meio vadia, eu sei, mas vi tanto isso em filmes que aquela era a minha chance de ter meu momento Uma Linda Mulher. Estava me sentindo poderosa, sensual e minha barriga lisa e meus cabelos longos me faziam me sentir ainda mais quente por dentro, pronta para ousar e ter uma noite incrível.

Minha amiga havia me chamado para uma casa de swing e jamais soube o que era isso. A proposta era simples: levaria meu namorado, ela levaria o dela e iríamos a um espaço para transar com outros casais. Para mim era louco e inimaginável, mas meu namorado curtiu tanto que lá fomos nós. Ele me contou no ouvido que já estava de pau duro antes de entrar com minha roupa de vadia. Podia ser vadia, mas me fazia sentir querendo fazer tudo.

A casa estava tranqüila quando chegamos. Eu via apenas casais conversando em sofás aos cantos. No local via sofás alternados com camas, iluminados por uma penumbra lilás, em um amplo salão que mais parecia uma grande sala pornô, mas era muito quente o sentimento que reinava por ali, sensual. Sentamos meu namorado e em um conjunto de sofás com desconhecidos e em menos de cinco minutos meu namorado já estava beijando a outra mulher.

Observei a ação e senti o moço que devia estar acompanhando a mulher estava querendo que eu fizesse o mesmo. Entretanto, para a minha surpresa, gostei da mulher. Era uma bela morena alta que estava de calça jeans apertada e botas pretas por cima da calça. Seu decote deixava os seios para cima e só me fez vontade de beijar e abraçar aquele corpo. Estranho? Talvez, mas eu queria a garota.

Apesar de ouvir o papo quente do acompanhante e sentir suas mãos na minha coxa, não deixava de olhar o casal do meu lado. Meu namorado estava beijando e passando a mão nos peitos da morena e eu queria que fossem as minhas mãos a acariciar aquele enorme par de seios duros e firmes. Meu olhar constrangeu os dois, que pararem pensando que era ciúmes. Meu namorado veio conversar comigo sobre o que combinamos: liberdade de sexo por uma noite. Então fui liberta, levantei e dei um beijo na mulher.

Levantei, sentei entre meu namorado e a moça e puxando seus cabelos longos com minha mão firme e decidida, dei um beijo da morena. Não sabia seu nome, mas estava me sentindo molhada e queria mais. Não fiquei surpresa quando o beijo foi correspondido e queria mais. Queria sugar e beijar e lembrei: estava em uma casa de swing, por que tinha que resistir? Nada impede que seja uma troca lésbica, não é mesmo?

Beijei e fui beijada, acariciei e fui acariciada. A mulher era ousada, queria experimentar, mas ao que pareceu ela já sabia, pois não demorou muito a me tocar no meu ponto mais íntimo e me fazer gemer de prazer. De relance, vi uma platéia de dois homens apenas observando e acariciando seus sexos dentro das calças ainda, o que me fez querer mais e guiar as mãos da moça por locais que sabia que me fariam tremer.

Meu sexo ficou molhado muito rápido e quando minha calcinha estava no joelho, senti que poderia deitar e entreabrir as pernas. O sofá era largo, mas pensei em ser mais ousada. Deitei com a cabeça recostada no colo do meu namorado e abrir as pernas dobradas e deixei que ela me fizesse gemer.

Meu namorado queria participar um pouco mais e estimulou meus seios apertando com a ponta dos dedos e enquanto era lambida, sugada e mordida em meu sexo, não podia deixar de gozar. Gozei muito, senti algo saindo de mim que nem tinha sentindo antes e quase enlouqueci quando senti que ela não parava de me estimular esfregando meu clitóris cada vez mais rápido. Era assistida por um homem, tocada por outro nos seios e deitada estava sentindo beijos em minha barriga e mãos me fazendo gozar mais uma vez de tesão, loucura.

Amei a casa de swing, registrei como maravilhosa a minha primeira orgia e muito em breve eu voltaria na casa para ter, como diz a música, “mais do mesmo”.

 

Dei Duas Sem Tirar de Dentro


Chamo-Me Nelma Tenho 28 anos Branquinha, cabelos natural castanho (costumo tingidos de loiro) minhas medidas exatas: 1,62 metro, 50 quilos, 60 cm de cintura, 84 de busto e um quadril de 92 cm. Pretendo relata a maioria das minhas aventuras e experiências sexuais mais hoje quero falar o dia que dei pra um segurança da boate, que deu duas sem tirar de dentro.
Eu já estava mais de um mês solteira e recebi a ligação de um ex namorado, que era musico e estava em outra cidade e perguntou se eu queria ir a Brasília capital, como eu teria um feriadão e eu não tinha nada em mente fui mais sabendo que ele tinha problemas com drogas e ficava meio violento mais me prometeu que já estava tudo calmo com ele. Nesse mesmo dia eu tinha horário marcado no salão pra pinta meus cabelos de loiro ao qual particularmente fico mais fatal do que sou.
Pronto cheguei de manha no outro dia em Brasília fui direto pro hotel tudo reservado como ele havia combinado mais ele só deu as caras a noite. Apresentou-me aos demais amigos tirando aquela onda antes da gente sair. Demos uma trepadinha básica (que eu não gozei) e vi que seu desempenho não estava muito bem ainda mais pq ele estava bebendo e muito. Coloquei um vestido tomara que caia preto mais um salto alto e sem calcinha, bem básica pra guerra.
Fomos para uma boate com musica eletrônica e eu sabia que não iria prestar porque ele é muito ciumento e não deu outra, ficamos numa área tipo vip e não ficamos 2 horas na boate e os seguranças já estava separando confusão dele com outro cara sendo que eu não tinha nada haver porque já conhecia a criatura. Mais o que mais me chamou a atenção foi um segurança (Jaime 32anos 1,80alt meio bombado) que saiu de um outro camarote e soube conversar com quem estava na briga e ficou na entrada do camarote que eu estava meio que tomando conta de mim.
Não vou dizer que sou santa e já tinha tomados uns 3 a 4 sex and beach que me deixa bem alegre, e o segurança percebeu que eu estava sem calcinha e tirou seu palito pra tampar por cima, mais eu como sou muito sacana comecei a estingar o coitado, quando eu ficava sozinha com ele eu de maldade tirava o paletó e deixava minha bucetinha toda a mostra pra ele e ele se fazia de que não era com ele.
Depois que eu desci pra a pista de dança abaixo fiquei sabendo que a esposa dele uma mulata baixinha trabalhava no bar e por isso que ele não me deu confiança, mais ele também não era nada bobo porque sempre que passava por mim disfarçadamente com a boate lotada dava uma apertada na minha bunda e eu dava aquela apalpada rapidinha no cacete duro como pedra que me deixou toda molhadinha.
Resumindo, voltei pro hotel cai no pau com meu ex bundão e ele de manha meteu o pé pra outra cidade me deixando com o hotel pago pra mais uma noite, pois a minha passagem de volta já estava comprada.
Dormi sozinha e passei o dia todo de ressaca nem sai do hotel acordei as 19hrs e fui tomar banho com aquele cacete na mente e toquei algumas siriricas, mais pra apagar meu fogo só eu sei com um cacete daqueles.
Deu 01 da manha e depois de brigar mais uma vez com meu ex pelo telefone, resolvi me arrumar e ir de novo na boate na intenção do segurança.
Chegando lá a boate estava um inferno, mais cheia do que a primeira vez e eu não conseguia encontrar ele mais vi que a mulher dele estava então comecei a ficar perto de umas meninas que estavam de olho em mim e nisso comecei a ficar com as duas nos 3 éramos o trio da putária na boate sendo que no cantinho, pois não podíamos nem circular direito que os homens caiam em cima. 
Já de manha paramos nos 3 e mais uma galera em um trailer pra beber mais para a minha alegria o segurança passou de carro e parou na minha frente, não pensei 2 vezes e entrei no carro com desculpa que já voltaria. 
Ele me levou uns 10 minutos de carro pra uma birosca de um amigo dele e lá ele me falou que deu um perdido na mulher dele e que teria que voltar em duas horas, pra pegar ela. 
Ele pediu o lanche dele, pois estava com fome e como meu hotel era no meio do caminho ele foi dirigindo e eu segurando o cacete por dentro da calça e ele entre uma marcha e outra dava uma dedada na minha bucetinha que estava encharcada. 
Ele parou o carro a traz do hotel e entrou depois de mim fui direto tomar um banho deixando ele no quarto e quando retorno em vez de ele tomar banho eu acabei não deixando, pois o cheiro dele me deixava louca de tezão, tirando a calça dele é ai que eu vi o tamanho do cacete que eu teria que agüentar não só grande mais grosso do jeito que eu estava querendo uns 22cm, segurei ele com as duas mãos e enquanto eu o chupava ele ia tirando a roupa.
Depois puxou meus cabelos e começou a me xingar e bater com aquele cacete na minha cara nossa eu ia as nuvens, forçava a guela a baixo pro cacete dele entrar todo na minha boca com violência me tirando o ar. 
E nisso ia brincando e enfiando o dedinho na minha bucetinha e no meu rabinho, depois me pegou no colo e me colocou de pernas aberta na cama me arreganhando toda e me deu um banho de língua que me fez gozar varias vezes, nossa eu gritava e dava tapa nele de tanto prazer e ele gostando. 
Não sei onde estava com a cabeça chamei ele pra entrar dentro de mim, pois queria muito o leitinho. 
Ele se posicionou e enfiou a cabeça que me torci toda de dor mais, ele me segurou bem forte pela cintura e me xingando tudo que é nome, foi me rasgando centímetro por centímetro. 
Falei que estava me machucando então ele começou a me beijar e a socar mais ainda aquele cacete pra dentro, tentei sair do beijo mais ele disse que iria me machucar com vontade si eu não beija-se, então a dor foi indo embora e comecei a sentir um baita de tezao ainda mais com a língua dele toda dentro da minha boca, travei a cintura dele com as minhas pernas e ele socando cada vez mais, cheguei no ouvidinho dele com uma voz de tezao pedi pra ele gozar tudo dentro de mim e não demorou muito senti o pau dele mais duro e o corpo dele todo tremer ao gozar nossa era muita porra pois senti ela escorrendo pelas costas e nisso sem ele tirar o pau de dentro ele ficou deitado em cima de mim por um tempinho e logo voltou a me beijar e de me chamar de tudo que e nome e ele volta a estocar aquele pau meio mole que logo volta a ficar mais duro como da primeira vez e nisso eu fui ao delírio com aquele homem todo suado e com a bucetinha toda melada e sendo mais e mais ainda fodida, 
Depois sem tirar de dentro ele me vira de quatro e ai que mete com mais força e bater na minha bunda nem preciso dizer mais o tanto que eu gozei, ele tendo a visão privilegiada do meu cuzinho começou a enfiar os dois dedos e tentar abrir, me empinei mais ainda e perguntei se ele queria comer meu cuzinho, nossa ele abriu um sorriso e veio com tudo colocou a cabeça e quando ela o entrou fez escorregar o restante nossa nessa mesma hora me desmontei na cama e ele sem do e piedade comeu meu cuzinho com tudo, tirou umas duas vezes pra eu chupar e depois botava com tudo ate o talo, ficou intercambiando entre o cu e a bucetinha depois perguntou se eu queria que ele goza-se no cu ou na buceta e falei que ele que mandava, me virou de frente e começamos um papai e mamãe e aos beijos eu e ele em uma sincronia gozamos aos beijos e aperto e eu gritando como sempre. 
Depois ele tirou o pau pra eu limpar com a boca e nossa como tava melecado, ele foi direto pro banho pois ainda tínhamos uns 30 minutos e eu fiquei deitada na cama pois minhas pernas estavam fracas. 
Ele voltando do banho sentou na beira da cama e ia passando a mão com vontade no meu corpo e eu fui direto com a boca naquele pau que ainda pedia mais, ele começou a se arrumar mais mesmo assim tirei o pau dele pra fora e em pé na beira da janela levei ate meu cuzinho que já estava todo arrombado e pedi mais um pouquinho, ele abaixou as calças e a cueca e começou a me comer na beira da janela nossa, eu não sei da onde tirei forças pra ficar de pé mais ele veio com tudo puxando meu cabelo me dando tapa na cara e na bunda e depois que eu dei umas gozadas ele pela terceira vez agora enche meu cuzinho de porra, tirou o pau de dentro e mais outra vez tive que lamber o pau dele todinho, depois ele só lavou a rola na pia e nos despedimos, ele achando que eu estaria de novo na boate, mau sabe ele que eu já naquele mesmo dia voltaria pra casa rsrsrsr. 


Quando me tornei puta - Verídico


Me chamo Ana, tenho 28 anos e sou casada a 06, tenho 1,60m de altura, 56 kg, branquinha, sem barriguinha e sem filhos, dizem que meu corpo e minhas partes íntimas parecem de uma ninfetinha, pois são bem delicadinhas, pouquinhos pelos, seios pequenos e bem durinhos, uma bundinha bem desenhada e a xaninha com muito poucos pelos e pequeninha...

A história que vou contar é real e o faço porque não consigo mais ficar sem falar para ninguém.

Sempre tive uma sexualidade muito aguçada, porém sempre foi reprimida, mantinha o controle ao máximo. Perdi minha virgindade aos 20 anos com meu primeiro namorado e como eu, ele não tinha muita experiência, passamos pouco tempo juntos e acabei casando com outra pessoa aos 22 anos.

Apesar de refrear meus desejos, ainda mais na condição de casada, sempre gostei de ficar olhando de forma discreta e disfarçada o volume que fazia nas calças dos homens, e se era sunga, nossa, enlouquecia, ficava depois imaginando como seria aquele homem na cama...

Comecei a assistir filminhos e sempre me delicio mais com os que mostram situações de traição, sedução, de homens que dominam e tem o pau grosso.

Esse desejo ficou cada vez mais intenso e não sabia como fazer e nem tao pouco tinha coragem de tomar qualquer iniciativa neste sentido, a não ser apreciar e desejar os homens que via.

Porem, o universo conspirou para que as coisas acontecessem, pois no São João de 2011, eu e meu esposo, mais dois casais alugamos uma pequena casinha no interior de onde ele é natural, para passarmos os festejos juninos.

A casa era bem simples, só tinha dois quartos, uma pequena sala, um banheiro e uma cozinha. 

Ficamos no primeiro quarto, um casal ficou na sala e o outro no segundo quarto.

A casa não tinha mobília, nós levamos dois colchões de solteiro e os outros casais, colchões infláveis. Chegamos no dia 23 de junho nos instalamos e começamos a curtir. Na manhã do dia 24 fomos acordados por um barulho de uma moto buzinando na frente da casa, quando fomos ver, era o Marcos (nome fictício), um amigo das antigas do meu esposo que está morando fora e fazia tempo que não se vinham, aí foi aquela festa... do meu lado o danado mexeu comigo, ele era moreno claro, malhado, calça jeans meio justa e como não podia ser diferente, olhei logo o volume e senti um frieza na barriga, um aperto no pescoço, senti minha xaninha se babar toda...

Além do mais, ele tinha um ar de safado, meio cafajeste, aquele tipinho que realmente mexe com as mulheres...

Meu marido foi logo convidando para ele ficar lá conosco e aí veio a providência (rssss), ele não tinha trazido colchão e agora? Meu marido muito solicito deu a ideia dele dormir junto conosco, não gostei de imediato da ideia, afinal para mim era um estranho, mas ele veio justificando que era mesmo que um irmão e depois 02 colchões de solteiro fica maior que uma cama de casal, que meu marido dormiria no meio... emburrei mas fiquei calada...

Tomamos café e fomos para uma granja, onde tinha um churrasco dos amigos dele, muito forró e banho de cachoeira.

Meu marido como sempre começou a beber e conversar me deixando de lado, o que aproveitei para admirar melhor aquele homem, ficava tão vidrada que acabava sendo surpreendida com ele me olhando, ai ficava toda sem jeito... ele sumiu dos meus olhos, quando o encontrei novamente ele estava tomando banho de sunga, nossa, enlouqueci, a sunga desenhava em detalhes o que escondia, as coxas muito grossas e os pelos que saiam da sunga subiam por uma barriguinha discreta até o peitoral dividido, minha xaninha babou na hora, que tesão... estava toda desconcertada.... quando ele saiu do banho vestiu uma camiseta que colou no corpo, fechei as pernas e apertei, comecei a beber vodka para ver se aliviar a tensão. Fiquei seguindo-o com os olhos o tempo todo.

Ele bebericava e dava umas olhadinhas para mim, como me despindo por completa. Por volta das 16h, o pessoal já estava pra lá de animadinhos, todo mundo dançando menos eu, chamei meu esposo e ele empolgado nas suas conversas e já para lá de Bagdá na cachaça nem deu a mínima, Marcos percebendo chegou junto e pediu pra dançar comigo, meu marido fez apenas um gesto de ombros. Quando fui pro salão ele me puxou pra junto do seu corpo, e colocou a coxa bem encaixada na minha xaninha, aproveitei e rocei com força nela e senti na hora o pau dele crescendo junto a minha barriguinha, o que só fez piorar a tesão que tava sentindo.

As 18 horas voltamos para a cidade para tomarmos banho e nos organizarmos para um show que ia ter na rua. As 21h estavamos todos numa barraquinha na praça e meu marido marido continuou a beber e por mais que eu pedisse que não, mais ele bebia, não demorou e estava arriado na mesa, de imediato Carlos se ofereceu para levá-lo para casa, aceitei a ajuda e me despedi do pessoal, e seguimos os tres para casa, chegando lá, Carlos sugeriu que o colocassemos no canto do colchão, pois se por acaso ele vomitasse não seria em cima de nós, mas no chão, fizemos isso agradeci a Carlos e fui para o banheiro para me preparar para dormir, quando Carlos disse que não ia mais voltar para a festa, pois tava cansado, viagem, festa o dia todo... senti uma friezinha na bariga e fiquei trêmula, só em pesnar na ideia de deitar ao lado daquele homem. Fui ao banheiro, tirei a maquiagem e coloquei um vestidinho de malha curtinho q sempre o uso, lógico que ali iaria colocar um short por baixo, pelo contrário, criei coragem e fui sem calcinha, quando entrei no quarto, ele tava deitado de costas, os braços cruzados por tras da cabeça, só de short de nylon, pensei em recuar... mas fui em frente, passei entre a cabeça dele e do meu marido na esperança que ele visse que eu estava sem calcinha, deitei de lado dando as costas para ele, e empinei ligeiramente o rabinho na direção dele, coloquei o lençol só sobre a brriga e aproveitei para levantar um pouquinho mais o vestidinho.

Não demorou e ouvi o velcro do short sendo aberto devagarinho.... em pouco tempo senti aquele cacete encostando na minha bundinha ao mesmo tempo que ele começava a beijar meu pescoço, num ato instintivo de fêmea no cio empinei mais a bundinha, encaixando o pau na regadinha e virando o rosto para encontrar aqueles lábios e me entregar ao melhor beijo que já dei, ele chegou ao meu ouvido e me disse:

-Quero você desde o primeiro momento que te vi. - ao mesmo tempo descia a mão que segurava meu rosto apertando meus seios até a minha xaninha, que já estava toda encharcada, enfiou um dedo e me disse: - Você também quer isso né safadinha? Apenas confirmei com ?hum rum?, e ele foi guiando o cacete para a portinha da minha xaninha. Quando ele começou a empurrar, gemi de dor e tentei segurar o braço dele que guiava o pau, e ele perguntou o que foi, disse que tava doendo, ele parou onde estava e mandou eu mexer e enfiou dois dedos na minha boca, quando já estava bem relaxadinha ele empurrou todinha de uma vez e senti ele me rasgando, sinceramente parecia que estava perdendo a virgindade de novo, aí ele começou a socar de forma lenta e forte e eu sem poder gemer com os dedos dele segurando minha língua, e começou a falar no meu ouvido: Depois dessa pomba você nunca mais sera a mesma minha putinha. Sente um homem de verdade. Vai minha putinha rebola... o pau dele é muito grosso, encheu por completo minha xaninha, quando toquei no pinguelinho ele tava todo esticadinho, tava numa tesão quando ele percebeu que eu ia gozar, estavamos de lado, ele me fez deitar de bruços, com as duas mãos abriu ainda mais minha bundinha e pernas, e empurrou tudo, senti uma pressão constante no fundo do utero, e ele não fez movimentos, apenas tipo umas latejadas e pressão contante, e senti o gozo vindo mais devagar, mas como um turbilhão, ele fechou minha boca, soltou o peso do corpo sobre o meu e senti aquele peitoral me sufocando,empinei mais a bundinha tentando respirar e apomba entrou mais ainda o que me fez gozar como nunca. Quando parei de me estremecer ele abriu minha boca e saiu de cima de mim, deitou ao meu lado, foi quando pude ver o tamanho daquele cacete, não era grande, mas era muito grosso, muito mesmo, fiquei com mais tesão ainda daquela gozada, subi em cima dele e comecei a rebolar bem devagarinho naquele pau, minha xaninha ardia, mas tava com muita tesão para parar, ele colocou um dedo na minha boca e levou para o meu cuzinho e foi empurrando e quanto mais eu pedia que não, mais ele enfiava até que doeu e apertei tudo, o que fez ele gozar. Me levantei e fui ao banheiro, nunca tinha visto tanta porra como naquele dia, escorreu muito, vesti a calcinha e o short e voltei para o colchão conversamos um pouco, nos beijamos muito e por fim colocamos meu marido no meio, para que ninguém suspeitasse de nada.

No outro dia, continuamos a participar dos festejos, mas passei bem uma semana sem andar direito, nem mesmo sentar. Ainda estou para conhecer alguém que tenha um pau mais grosso que aquele. 

Depois continuo a contar a sucessão de eventos após esse São João que me tornou um putinha, mas me fez uma mulher feliz.... (rssss).


Tiozinho Me Comeu

Chamo-Me Nelma Tenho 28 anos Branquinha, cabelos natural castanho (costumo tingidos de loiro) minhas medidas exatas: 1,62 metro, 50 quilos, 60 cm de cintura, 84 de busto e um quadril de 92 cm. Pretendo relata a maioria das minhas aventuras e experiências sexuais mais hoje quero falar O dia que o tiozinho me comeu.

Quando eu era bem novinha e sem pentelhos as vezes eu costumava passar os fins de semana nas férias na casa de uma tia minha e la eu tinha uma amiguinha mais velha que deveria ter uns 16 a 17 anos e tínhamos um segredo que ela me levava como desculpas na casa do tio dela que sempre dava dinheiro, e os dois transavam em um quarto em quanto eu espiava pela fresta da porta e comigo ele nunca mexeu, só um dia que ele passou pelado do quarto pro banheiro e sentou uma vez na sala comigo segurando meus carrocinhos do peito e eu ficava segurando o pau dele por de baixo do short.

Então logo no inicio do ano passado minha tia me pediu pra buscar um exame medico, pois eu estava de férias do trabalho e meu namorado só estava em casa comigo a noite.

Chegando lá o lugar estava fechado e no retorno pra casa me deparei com o tiozinho na padaria e ficamos batendo papo, ele já devia ter uns 60 anos, tava bem mais magro do que era e careca, mais continuava safado e comendo as meninas no apartamento dele e não tirava os olhos do meus seios com aquela boca de tarado.

Fiquei de retornar la no outro dia pra pegar o exame da minha tia sendo que fui só na outra semana numa segunda e por meu azar alem de pegar quase 2 horas de ônibus e havia caindo um temporal e as ruas estavam alagadas, peguei o exame toda molhada e fui pra padaria esperar a água descer e nisso resolvi interfona pro tiozinho que morava no apartamento de cima pois tava muito frio e eu iria acabar ficando doente.

Interfonei a primeira vez e nada de atender e na segunda por sorte ele acordou e atendeu me recebendo em seu apartamento ao qual pode me secar e ligar pra minha tia e mãe pois eu estava sem celular. O tiozinho estava meio sonolento acho que era por causa dos remédios então me senti a vontade e coloquei minha calça e blusa pra secar ficando só de calcinha e sutiã. Tomamos um café e conversa vai e conversa vem tocamos no passado e ele começou a falar da sobrinha dele que tava gravida e tal mais que o filhos não eram dele porque ele não podia ter filhos e nisso ele foi no banheiro e retornou só de camisa sem calça e com piru balançando e querendo que eu pegasse.

Fiquei punhetando ele na cozinha e ele passando a mão nas minhas cochas mais percebi que o pau dele não iria acordar e fomos pra cama onde ele ficou passando a mão em mim até tirar minha calcinha e sutiã e começar a me dedar e me chupar e lamber que nem um velho babão. 

La estava eu peladinha na cama com ele de pau murcho, me levantei e comecei a dançar pra ele e esfregar minha bunda na cara dele até que me abaixe e comecei a chupar aquele rola meia mucha mais nada dele ficar duro, comecei a brincar com ele e ele se levantou e foi tomar um viagra e voltamos a nos deitar de baixo da coberta com ele dedando minha bucetinha e cu e nisso eu gozando varias vezes até que de tando molhar o lençol dele resolvemos trocar e fui tomar uma chuveirada e quando voltei toda molhada ele tava segurando o pau que já estava duro e com a cabeça toda rocha (18cm). 

Fui pra beira da cama ficando de 4 e ele me pegou na cintura e coloquei ele dentro da minha bucetinha mais só que ele tirou e falou que queria comer minha bunda que tava deixando ele muito louco, me abri bem e ele meteu a cabeça e assim entrou tudo até o talo, nossa comecei a tocar uma siririca com ele comendo minha bunda e não parava de gozar ele fudia super bem e nem sabia direito onde passaria a mão no meu corpo só sei que ele apertava forte meus seis com maior tesão, eu achei que ele iria ter um treco mais não a pica dele tava muito dura e começou a intercalar entre meu cuzinho e minha bucetinha, Nossa como eu chingava ele chamando de meu velho tarado comedor de menininhas e ele adorando e puxando meu cabelo e as vezes eu me empinava toda. ficamos de pé eu me segurando em uma mesa e ele socando com muita força ate que falou que iria gozar mais disse que era pra gozar fora na minha boca e quando percebi que iria gozar tirei ele de dentro de minha e com uma punhetada bem forte ele gozou na minha cara mais quase não tinha porra,

Nos deitamos na cama de conchinha e ele ficou pincelando meu grelinho que por ultima vez gozei com ele, eu ainda não estava satisfeita e queria mais sendo que ele não tava dando conta de mim então nos despedimos e a noite em casa quando meu namorado chegou eu dei a madrugada toda pra ele com os pensamentos do que eu havia feito naquele dia.

Ele chegou a me pedir pra voltar outro dia la mais nunca mais voltei e uma das coisas que adoro transar com homens mais velhos e que o segredo morre com eles.



Rebola no meu pau Fernada
 
Talvez a única utilidade dessa distância seja me deixar que nem bicho, louco pra te comer. Quando você chegar no Rio, larga suas malas em casa, bota um vestido curto deixando as coxas de fora e uma calcinha pequena, mal cobrindo sua boceta e toda enfiada na bunda. Mas quando a gente se encontrar e eu já chegar apertando sua bunda falando no seu ouvido que quero te foder logo, você faz um doce, diz que não vai me dar, que está cansada e é melhor deixar pra outro dia. 

Chegando aqui em casa eu te puxo pra dar um beijo todo de desespero tentando te convencer a me dar, você me beija de volta com vontade, não oferece resistência quando começo a subir as mãos pelo lado das coxas, ate chegar no vestido e enfiar as mãos por baixo até tocar numa calcinha minúscula. Quando eu vejo o tamanho dela, te beijo mais forte e já passo as mãos pra tás, rapidamente descobrindo sua bunda toda.. Fico alisando, só curtindo como está macia, até que vou pro meio dela e seguro abrindo pelas polpas, apertando sua bunda com tanta força que quase te levanto do chão. Voce tenta se desvencilhar e vira de costas pra mim, eu vejo aquela bunda grande com uma calcinha toda enfiada e fico louco de vez. Te encosto na parede e enquanto mordo seu pescoço, você percebe meus movimentos e sente que botei o pau pra fora do short pra ficar esfregando na sua bunda, ja muito duro e te forçando ainda mais contra a parede. Você deixa eu roçar, mas fica falando que não vai dar pra mim, pra eu ficar calmo. Eu mal consigo falar de tanto que respiro pesado e só respondo que preciso te comer de qualquer jeito. Você tenta se virar de frente pra mim e se soltar, eu te aperto mais forte contra a parede e mando você ficar quieta, Fernanda, deixa eu esfregar meu pau nessa bunda, deixa. Você tenta se soltar, mas não tenta muito, fica aproveitando e diz que pode bater uma punheta pra mim, se eu quiser. Eu te viro de frente, pego sua mão e boto no meu pau. Você aperta de leve e começa uma punheta devagar, eu por fim te solto e fecho os olhos, gemendo e curtindo meu pau na sua mão, aquela punheta que eu queria tanto no tempo que ficou longe, nas punhetas que eu tocava e tentava imaginar que era sua mão segurando meu pau de leve enquanto subia e descia.

Você para de repente, diz que é melhor parar senão eu vou querer te comer e reclama sério quando tento ir pra cima de você. Sem muita opção, eu tento acalmar, mas você não ajuda. Diz que está muito quente e vai ficar sem vestido, mas que é pra eu ficar quieto. Eu sento na cama e te vejo fingir indiferença enquanto começa a tirar o vestido. Eu já tinha guardado o pau dentro do short, mas não aguento, boto pra fora de novo e começo uma punheta enquanto você vai tirando o vestido. Você fica de frente quando levanta o vestido, eu vejo aquela calcinha preta que fica bem cavada na frente, que quase some nas suas coxas e por muito pouco não mostra sua boceta. MInha punheta fica mais rápida e então você passa o vestido pelo sutiã, queria que estivesse sem e tento lembrar daqueles bicos clarinhos, mas sinto que nem a punheta duraria muito tempo naquele ritmo. Pra me matar de vez, você termina de passar o vestido pela cabeça virando de costas pra mim. Seu cabelo sobe e desce se espalhando quando por fim sai o vestido, mas não consigo tirar os olhos da sua bunda, ainda marcada dos apertões que dei. Vejo aquela pintinha da sua bunda e sinto vontade de te morder começando por ela. 

Você manda eu sossegar e deita na cama, pede pra eu deitar com você e ver tv. Deitamos meio de lado, eu atrás de você, colado na sua bunda, mas você diz pra eu parar com a esfregação, só ficar junto. Mas sacana como você é, fica junto mas joga a bunda bem pra trás, forçando em mim. Eu tento ficar parado e vou passando a mão no seu braço num carinho leve. Vou ampliando os movimentos e alcanço o ombro, do ombro desço um pouco pro seu colo, continuo descendo os carinhos ate quase chegar no seu peito, mas o sutiã ainda está lá. Você finge que nem é com você e vou avançando, fico descendo os dedos e indo de um lado pro outro no colo, até que enfio os dedos finalmente por baixo do sutiã e toco seu bico. Fico passando o dedo de leve nele, subindo pro colo mas voltando logo pra senti-lo ficar duro. Logo já estou colocando a mão toda dentro do seu sutiã e sentindo o bico na palma da mão, enquanto começo a apertar ainda de leve. Você já não fica mais de costas pra mim, vira um pouco e está de olhos fechados, gemendo baixinho e ensaiando umas reboladas a cada apertão no peito. Desço a mão até sua calcinha, faço menção de tirá-la, mas você me segura e diz que não vou te comer. Você ainda de lado pra mim, eu desço e vou beijando sua bunda, mordendo, até bota-la de lado e vou descendo a lingua lá de cima, fico passando a lingua bem úmida no seu cu. Te deito de bruços enfim e monto em você, continuo lambendo seu cu enquanto abro bem sua bunda, aperto ela e só paro pra falar sua bunda é gostosa pra caralho. Você já ta gemendo muito e pede pra eu te comer logo, mas eu desço mais e começo a chupar sua boceta, molhada demais, você não queria me dar mas tá toda molhada, só passar a mão no seu peito que você já fica doida pra dar. Te viro de frente e enfio o dedo, vou te masturbando enquanto passo a língua no meio das suas coxas e vou subindo. Continuo te masturbando e te arregaço, abro suas pernas e vou lambendo seu grelo, passando a lingua toda e depois só a ponta, subindo e descendo com a lingua bem molhada. Puxo a pele e continuo chupando, agora subindo a mão, você apertando minha mão contra seus peitos, vou chupando sem parar de apertá-los e você gemendo mais. Então larga minha mão e vai puxando minha cabeça contra sua boceta, apertando cada vez mais contra você e rebolando na minha boca. 

Eu saio e deito, falo pra você sentar na minha boca e te viro num 69. Enquanto você senta, vai me chupando, sentindo meu pau muito duro na sua boca e vai rebolando e esfregando sua boceta na minha cara. Eu vou te chupando e apertando sua bunda, puta gostosa, chupa meu pau, vai. Começo a chupar mais forte, você para de me chupar um pouco e geme pra eu continuar, depois enfia meu pau na boca, vai chupando e gemendo, sentando cada vez mais, fazendo pressão na minha boca até começar a gozar, gozando forte e eu não paro de te chupar e aperto mais forte essa bunda. 

Você pede pra eu te comer logo, que quer sentar no meu pau e me dar. Eu deito e mando você sentar de costas, meu pau entra, você vai sentando mais rápido, sua piranha gostosa, rebola no meu pau, vai Fernanda. Fica a sua bunda subindo e descendo, fico vendo meu pau abrindo sua boceta a cada descida e abro sua bunda, aperto, você fica gostosa pra caralho sentando, você senta mais forte ainda e eu falo pra voce ficar de quatro logo que eu quero gozar assim. Você se ajeita e levanta a bunda pra mim, eu vou enfiando e logo você me puxa a mão pra ficar apertando o peito, piranha demais, adora tomar de quatro com uma mão te apertando os peitos, vou metendo, rebola, Fernanda, quero ver essa bunda rebolando no meu pau, começo a meter mais forte, mais forte, puxo seu quadril com força contra meu pau, aperto esse bundão, dou uns tapas e mando me dar pra eu gozar tudo em você, seguro seu cabelo e você jogando a bunda pra trás com mais força, eu não paro de apertar até que começo a gozar, gozar muito, encho sua boceta de porra e vou gozando e metendo ainda, gemendo, falando que é muito bom te foder de quatro e gozar forte assim em você.